Rua Timbiras, 3616, Barro Preto - CEP 30140-062
Belo Horizonte, Minas Gerais - Telefone: (31) 3295-1844 e 3295-1942

FÍSTULA ARTÉRIOVENOSA DURAL

O cérebro humano é recoberto por três camadas de membranas (meninges). A camada mais externa é uma membrana resistente chamada de dura máter. A dura máter é essencial na proteção do cérebro. Existem canais venosos no interior da dura máter chamados seios durais. Os seios durais coletam sangue das veias do cérebro. Quando uma conexão anormal é formada entre artérias e veias cerebrais ou seios durais, esta recebe o nome de fístula arteriovenosa dural (FAVD), ou malormação artériovensa dural ou simplesmente fístula dural. Teoricamente, as fístulas arteriovenosas durais podem ocorrer em qualquer local da dura máter.
A maioria das FAVD são adquiridas. Os fatores predisponentes são trombose de seio dural, trauma craniano, neurocirurgia.

Os sintomas das FAVD variam dependendo de sua localização. Cefaléia é um dos sintomas não específicos que pode estar associada a todos os tipos de FAVD. Embora possam ocorrer em qualquer lugar onde existe dura máter, são mais comumente encontradas no seio cavernoso (atrás do olho) e transverso/sigmóide (atrás do ouvido). Os pacientes com FAVD atrás do olho (cavernosa) geralmente reclamam de redução da visão e vermelhidão dos olhos. Os pacientes com FAVD atrás do ouvido (transverso/sigmóide) frequentemente ouvem um ruído pulsátil (tinidus) devido à rápida passagem do sangue nesta região.

Todos os tipos de FAVD podem causar sintomas como de um AVC e convulsões. A hemorragia cerebral é a apresentação mais séria, podendo causar seqüelas neurológicas graves e morte. Algumas FAVD podem não apresentar qualquer sintoma, porém não necessariamente são menos graves.

O primeiro passo para realizar o tratamento é a realização de uma angiografia cerebral, que permite a compreensão de toda a fístula. O tratamento pode ser com cirurgia, observação ou embolização, dependendo do tipo de fístula e dos sintomas do paciente.

A maioria das FAVDs podem ser tratadas com embolização. Esta pode ser realizada pelo interior das veias ou artérias, com o uso dos mais variados materiais, desde coils (espirais de platina) até cola.

Copyright © 2011 Instituto Neuro Vascular

Stratta